Sou submissa porque eu sou a esposa?

Por: Shannon Popkin

"Ótimo." Meu filho bateu o pé no chão do carro para dar ênfase. "Eu tenho que ir para o jogo da minha irmã em vez de ir à festa de aniversário."

Era verdade. Tinha começado comigo, querendo que ele limpasse seu quarto, enquanto ele queria ir a uma festa. Quando nenhum de nós conseguiu o que queria, eu revoguei seu privilégio, na esperança de motivar uma atitude de acordo. Até agora, nada estava funcionando.

Meu marido, que estava dirigindo, parecia não estar sendo afetado pela rebelião aberta que estava acontecendo no banco de trás, mas eu estava. Eu sei que o egoísmo, o desrespeito, e rebelião podem fazer  uma pessoa derrapar e sair fora de trilhos da vida, e isso é exatamente o que eu não quero para o meu filho. Quando ele jogou o peso do corpo contra o assento, senti o meu stress subir  ao mais alto nível. Sua insolência vai destruir a sua vida, eu disse para mim mesma. Eu tenho que pará-lo. Eu tenho que fazer alguma coisa agora.

E assim eu fiz. Meu crescente desejo para obter o controle da atitude do meu filho explodiu em palavras duras. Minha voz estava alta e imponente. As minhas palavras tinham nuances de manipulação e exageros. Eu fiz um discurso. Ameacei. Avisei. Exigi. Eu dei plena vazão ao meu desejo de controle.

E como é que o meu filho respondeu ? Ele se encolheu. Cruzou os braços com raiva. Com um tom de teimosia, e não de remorso, ele disse que não ligava.

Bem, isso só me fez enfurecer ainda mais! Com mais intensidade, virei-me para entregar uma nova rodada “quente” de palavras, mas meu marido me cortou. "Shannon, pare."

Pare? Eu não conseguia parar. Eu não devia parar! Eu o ignorei e continuei.

"Shannon, pare."

Silenciosamente, mas com força, meu marido colocou sua mão na minha. "Pare com isso. Você está piorando as coisas ", disse ele, calmamente.

"Não, eu não estou! Ele precisa ouvir isso!", eu disse em um sussurro alto. Mas meu marido não iria recuar. Ele calmamente me garantiu que ele iria lidar com isso. Ele queria que eu ficasse quieta durante o resto do trajeto. Então, quando chegamos, ele quis que eu saísse do carro e o deixasse lidar com a situação. Sozinho.

Controle e Submissão

Isto foi quase mais do que eu poderia suportar. Havia agora duas coisas em jogo:

  • Meu desejo de controlar o meu filho.
  • Meu desejo de não ser controlada pelo meu marido.

Eu cruzei os braços sobre o peito e olhei para fora da janela do passageiro, fumegante. Minha segunda etapa do discurso estava na ponta da minha língua, e os meus argumentos foram queimando um buraco em meu coração. Se o meu marido me desse a chance, eu poderia resolver toda esta situação em dois minutos. Eu sabia que podia! Mas ali, no banco do passageiro, a palavra "submissão" atravessou minha consciência.

Submeter-se

Imagino que se você fosse uma passageira em nosso carro naquela noite, você não teria tido coragem para me lembrar de Efésios 5: 22-23, que diz:

As mulheres sejam submissas a seus maridos, como ao Senhor. Porque o marido é a cabeça da mulher, como também Cristo é a cabeça da igreja”.

Muitos cristãos contornam ou passam por cima deste versículo, mesmo quando o clima é de alegria e otimismo. Mas em um momento de tensão e frustração extrema, Deus não hesitou em me lembrar que eu devo me submeter. Obviamente, Deus não queria contornar esta situação.

Eu vou ser honesta; Eu me arrepio quando a instrução de Deus para as esposas se submeterem se choca contra a minha vontade de ferro. Então, tenho que me submeter, simplesmente porque eu sou a esposa, e não o marido? Como pode ser assim? Será que eu perdi alguma coisa?

Na verdade, sim. Deus me mostrou algo novo naquela noite. Foi o que aconteceu quando eu olhei para o meu filho, que estava olhando para fora da janela com os braços cruzados. Eu percebi que ele se parecia muito .... Comigo.

Ocorreu-me que o meu filho não queria se submeter à minha vontade assim como eu não queria me submeter à vontade de meu marido. Nós dois estávamos em atrito em vez de simplesmente nos submetermos. Ambos estávamos agarrados ao controle e ressentíamos a autoridade.

Assim como eu queria que meu filho se submetesse, Deus me convidou a me (só que sem lição de moral). Assim como eu queria que meu filho me ouvisse, Deus queria que eu o ouvisse (detalhe: Deus não estava gritando). Assim como eu queria salvar o meu filho do sofrimento, Deus quis evitar o meu sofrimento (detalhe: o tom de Deus não era duro ou manipulador).

Não seria Deus um bom pai tentando me salvar do desastre quando me pede para simplesmente me submeter?

Diretrizes da família

É fácil para mim ver que as crianças devem se submeter a seus pais. As crianças nascem depois que os seus pais, e não antes. Deus forma um bebê dentro do útero de sua mãe, usando filamentos de DNA, tanto do pai quanto da mãe. Quando ele nasce, seus pais deliciam-se com ele ao dar-lhe um nome. Eles irão amá-lo e sentir uma profunda ligação com ele, porque ele veio deles. O desígnio de Deus é evidente, quer o bebê veja isso ou não: As crianças devem submeter-se a pais que amorosamente irão orientá-las e protegê-las.

É também evidente (mesmo se não é óbvio para mim) que o projeto de Deus para o casamento é que a mulher se submeta a seu marido. A história da criação em Gênesis 2 aponta para isso muito claramente.

Observe que Deus não fez Adão e Eva do pó simultaneamente. A mulher veio depois do homem ( v. 20 ). E o material que Deus usou para formá-la era a carne do lado de Adão ( v. 21 ). Então, quando Deus trouxe Eva, Adão se alegrou e deu-lhe um nome ( v. 22-23 ). Adão sentiu uma profunda ligação com ela e porque ela foi tirada da sua costela ( v. 23 ). Era natural para Adão orientar amorosamente e proteger Eva.

Há algo muito bonito e convincente sobre esta história. O fato de Eva ser liderada e amada por Adão não parece mais cruel ou degradante do que um bebê ser guiado por pais que o adoram. Deus tece naturalmente amor e proteção em nossas relações familiares. Ele projetou que nós tomássemos conta uns dos outros.

Mas o pecado faz com que tudo seja distorcido. Quando Adão e Eva recusaram-se a submeter-se a Deus, eles quebraram o belo design de Deus. Desde que herdamos a rebelião de Adão e Eva, nenhum de nós deseja se submeter. Crianças em idade escolar não querem submeter-se e comer seus legumes. Adolescentes não querem submeter-se a limpar os seus quartos. E as mulheres não querem submeter quando seus maridos dizem para elas pararem com os sermões.

Mas Deus não desistiu de seu projeto original para o meu casamento. Ele pode ter sido um pouco sutil na forma como colocou Seu projeto de liderança e submissão na história do primeiro casamento, mas quando ele dá instruções para o meu casamento, Deus é absolutamente contundente. Ele diz repetidamente: "Esposas submetei-vos a seus maridos" ( Ef 5:22. , Col. 3:18 , 1 Pedro 3: 1 ). Esta instrução é tão direta como o comando: "Filhos, obedecei a vossos pais" (Ef. 6: 1).

As diretrizes de Deus no Novo Testamento para os relacionamentos familiares são uma reação à forma como o pecado tem arruinado Seu design original. Deus odeia a maneira como esposas controladoras, maridos rudes e filhos rebeldes podem arruinar o que deveria ser belo. Ele se entristece ao ver que nossos ombros pesam sob nossos pecados. Deus dá estas instruções para definir as coisas de uma maneira correta. Ele é um bom pai, querendo nos impedir de andar na direção errada e ter nossas vidas jogadas de um penhasco.

O Momento de escolha

Naquela noite, no carro, meu coração estava abalado com o desejo de ignorar o meu marido e continuar fazendo o sermão a meu filho. Mas, ao invés de ceder a mim mesma, eu cedi a Deus.

Podia parecer que eu era apenas uma esposa e mãe saindo de um carro, mas por dentro eu lutava radicalmente com a minha carne. Submeter-se a meu marido era exatamente o que o meu coração controlador gritava para eu não fazer. Mas submeter-me foi minha maneira de me render apaixonadamente a Deus, confiando que Ele é meu Pai protetor, agindo com boa intenção quando me pede para deixar que o meu marido lidere.

Quinze minutos mais tarde, quando me sentei na arquibancada com vista para o jogo, eu vi o que eu não podia ver quando estava no carro. Meu marido estava certo. Eu tinha feito as coisas ficarem mais difíceis. Meu coração tinha me enganado novamente. As minhas palavras tinham sido como um vento ou furacão, fazendo com que meu filho segurasse mais firme ainda no seu orgulho e rebeldia.

Enquanto uma lágrima de remorso escorria pelo meu rosto, meu filho deslizou para o assento na arquibancada ao meu lado. Ele colocou o braço em volta dos meus ombros e me deu um aperto caloroso, dizendo: "Sinto muito, mãe. Eu estava tão errado. Eu vejo isso agora. Você me perdoa?"

Desde o início, Deus criou os maridos para liderarem, amarem e protegerem suas esposas. O pecado é que faz com que o meu coração se irrite contra este projeto, mas quando eu apaixonadamente me rendo a Deus, e me submeto a meu marido, eu trago a bênção de Deus à minha vida. E às vezes eu até mesmo recebo o abraço e as desculpas que estava esperando.

Querida esposa em conflito, você está cedendo a si mesma, em vez ceder a Deus? De que forma você está cedendo ao seu desejo de controle, em vez de ceder ao desejo de Deus para que você se submeta? Não demore. Hoje mesmo, renda-se ao seu Pai protetor que só deseja o que é bom para você quando lhe pede para submeter-se a seu marido.